Links da Semana #124

30.09| Links da Semana
Links da Semana

A cada semana, você encontrará recomendações de matérias importantes, que vão te deixar ainda mais informada sobre o universo do seu filho. Confira os cinco melhores links desta semana:

Como registrar meu filho no cartório?

29.09| Recém-Nascidos
Como registrar meu filho no cartório?

Legalmente falando, uma pessoa só passa a existir quando é registrada no cartório. O indicado é que isso seja feito o mais rápido possível, pela lei o prazo é de 15 dias depois do nascimento. Mas depois de dar à luz, é tanta coisa para se preocupar que provavelmente os novos papais devem ficar confusos sobre como registar o filho no cartório. Por isso, vamos explicar bem certinho tudo o que você precisa saber.

Antes de tudo, é preciso definir o nome da criança. Se você ainda não escolheu ou ainda está na dúvida, aqui temos algumas dicas de nomes para meninos e meninas para você.

Quais documentos são necessários?
Como registrar meu filho no cartório?

Você recebe da maternidade (onde aconteceu o parto) uma Declaração de Nascimento Vivo (DNV), popularmente chamada de Guia Amarela. Em alguns hospitais, há um posto de atendimento no qual é possível fazer o registro lá mesmo. Dá para o/a acompanhante se informar sobre isso enquanto aguarda a mamãe.

Caso não tiver, então o casal deve ir ao cartório da cidade com a DNV, os documentos de identidade e certidão de casamento, se forem casados legalmente. Caso o nascimento tenha acontecido em casa, sem a presença de um médico, então serão necessárias duas testemunhas na hora de registrar a criança.

Quanto tempo tenho para registrar meu filho no cartório?

É estipulado o prazo de 15 dias, contando a partir da data de nascimento da criança, para os pais fazerem o registro. Porém, esse prazo se estende para 45 dias caso a mãe for a declarante, visto que ela necessita de um período de repouso após o parto. Já, quando os pais residem a mais de 30 quilômetros de distância de um cartório, o prazo aumenta para três meses.

Como registrar meu filho no cartório?
Por que a certidão de nascimento é importante?
Como registrar meu filho no cartório?

Só com ela você conseguirá matricular seu filho na creche e escola. Além disso, a certidão de nascimento será necessária em casos de acesso a programas sociais, trabalhar com a carteira assinada, votar e casar. Registrar a criança também a protege de trabalho infantil e recrutamento militar prematuro, visto que é possível comprovar a idade.

O que consta no registro da criança?

De acordo com o artigo 54 da lei 6.015, em um registro são especificados: a data e hora do nascimento, sexo, nome completo da criança, nomes e sobrenomes, assim como a naturalidade, idade, profissão, lugar de residência dos pais e também os nomes e sobrenomes dos avós, paternos e maternos.

Como registrar meu filho no cartório?
Só o pai pode registrar a criança?
Como registrar meu filho no cartório?

Na hora de registrar a criança, apenas um do casal pode fazer isso. Antes, a responsabilidade era do pai, mas, depois da lei 13.112/2015, houve equiparação dos direitos tanto do homem quanto da mulher. Então, se na hora de registar o filho no cartório, apenas a mãe for, ela deve levar a certidão de casamento, ou uma declaração do pai reconhecendo o pequeno, se eles não forem casados.

Se a mulher não tiver nenhuma, terá que registrar a criança sem o nome do pai e depois entrar com uma ação de investigação de paternidade.

As alergias mais comuns em crianças

26.09| Infância
As alergias mais comuns em crianças

Por ainda não ter um sistema imunológico completamente desenvolvido, nossos pequenos estão mais suscetíveis a contrair uma reação alérgica. Alimentos, ácaros, fungos, produtos de higiene e limpeza e até mesmo o pólen das flores podem ocasionar irritações, coceira, tosses e, em casos mais extremos, dificuldades respiratórias nas crianças. Felizmente, conhecendo a causa, é possível controlar os fatores externos e prevenir tais crises sem que seu filho deixe de aproveitar a melhor fase da vida.

Fatores genéticos

As alergias mais comuns em crianças

Cientificamente, chama-se reação alérgica quando o sistema imunológico, nossas defesas contra agentes externos, reagem de forma exagerada a alguma substância que eventualmente o nosso organismo tenha entrado em contato. Por outro lado, dá-se o nome de alérgeno aos fatores que ocasionem uma reação alérgica. Geralmente, são proteínas minúsculas encontradas em vários agentes, como alimentos e ácaros, por exemplo.

Nossos filhos tendem a herdar muito mais do que a cor dos olhos ou o formato do rosto. Estima-se que quando o casal possui alguma alergia, a probabilidade do filho apresentar o mesmo quadro é de 90%. Este percentual cai para 40% quando apenas o pai ou a mãe tem tal alergia.

Reação alérgica
e Alérgenos

Ácaros

Esses seres microscópicos são os principais causadores de problemas respiratórios, principalmente de rinite. Os bichinhos de pelúcia do seu filho podem criar ambientes muito favoráveis para a proliferação destes insetos. Recomenda-se, então, que esses brinquedos fiquem guardados e que sejam deixados expostos apenas aqueles que forem mais fáceis de lavar. Além disso, evite carpetes, já que crianças brincam bastante no chão, e limpe constantemente o piso, de preferência com produtos de limpeza sem cheiro muito forte.

Cortinas de tecido e cobertores também são locais de fácil proliferação dos ácaros. Por isso, lave-os com frequência e deixe-os estendidos ao sol de tempos em tempos.

Alimentos

As alergias mais comuns em crianças

Dentre os grupos alimentícios que mais ocasionam reações alérgicas, estão os laticínios. O leite de vaca é o responsável por cerca de 80% das alergias alimentares em crianças de até 3 anos. Essa faixa etária é a mais suscetível a ter alguma intolerância, estima-se que 5% deste grupo possua alergia a algum alimento.

Além do leite de vaca, também figuram na lista dos alimentos que contêm maior probabilidade de ter um fator alérgeno: ovo, soja, trigo, amendoim, peixes e frutos do mar. Uma dica é sempre ler os rótulos dos produtos a procura de algum derivado destas substâncias. Por exemplo, no caso do leite, procure por: caseína, caseinato, soro de leite e derivado de leite na descrição; já os alérgicos a ovo devem evitar comidas que possuam albumina e soroalbumina na composição.

Prevenção e cuidados

Além da limpeza constante dos ambientes, recomenda-se que a criança tenha sempre uma alimentação bem balanceada e rica em vitaminas, minerais e nutrientes, para deixar o sistema imunológico mais forte. Caso seu filho se alimente na escola, opte por preparar você mesmo o alimento, principalmente se a criança apresentar reação a algum tipo de comida vendida no local. Outra dica é visitar periodicamente um pediatra, ele auxiliará no diagnóstico de futuras reações alérgicas.

Links da Semana #123

23.09| Links da Semana
Links da Semana

A cada semana, você encontrará recomendações de matérias importantes, que vão te deixar ainda mais informada sobre o universo do seu filho. Confira os cinco melhores links desta semana:

Links da Semana #122

16.09| Links da Semana
Links da Semana #76

A cada semana, você encontrará recomendações de matérias importantes, que vão te deixar ainda mais informada sobre o universo do seu filho. Confira os cinco melhores links desta semana:

É saudável falar com voz de criança?

26.08| Infância
É saudável falar com voz de criança?

Queeemm é oooo adultinhooo que falááááá com voizinhaaaaa assssimmmm? Não adianta negar, é automático. Você olha para aquelas bochechinhas fofas e olhinhos arregalados e pronto! Já está abusando do agudo, deformando as vogais e amolecendo os lábios. Mas fique calma, isso é completamente normal, pelo menos é o que dizem os cientistas. A grande dúvida, que divide opiniões, é a seguinte: é saudável falar com voz de criança?

Primeiramente: por que fazemos isso?

Falar dessa forma é tão comum que tem até nome difícil: Tatibitate. As pesquisas mostram que isso é um comportamento instintivo e, inclusive, os animais também modificam seus sons para interagir com os filhotes. O objetivo, segundo estudos, é facilitar para as crianças o processo de aprendizagem da linguagem.

Quando os adultos agem assim, o cérebro dos bebês produz hormônios relativos à motivação e ao aprendizado. A tatibitate, até aproximadamente o primeiro ano, ajuda adultos e crianças a se entenderem. É um processo de equilíbrio, os adultos falam dessa forma para se aproximar da fala da criança, enquanto ela se esforça para falar como o adulto.

É saudável falar com voz de criança?

Afinal, é saudável falar com voz de criança?

Estudiosos se dividem ao responder essa questão. Pesquisas mais antigas defendiam o hábito; outras, mais recentes, mostraram que, apesar de incentivar a criança, falar incorretamente pode atrapalhar o aprendizado dos pequenos. A dica dos especialistas é reduzir a tatibitate proporcionalmente, conforme a criança cresça. Adotar um timbre melodioso e ritmo pausado é benéfico no processo de retenção de linguagem, mas falar incorretamente as palavras deve ser evitado.

Mmmm, Mama, MaMá, Mamae, Mamãe...

Cada etapa da criança é fundamental no processo de conhecimento do vocabulário, mesmo quando tudo o que ela sabe falar são sons sem nexo. Até os seis meses, ela está descobrindo que pode se comunicar por sons. Dos seis aos doze meses, é a fase dos sons monossilábicos, aquele momento mágico do primeiro “Mama” e “Papa”. Depois disso, incentivar ainda mais a fala e pronunciar o nome correto das coisas é muito importante.

Com dois anos, a criança já é capaz de usar pequenas frases e, aos quatro, explicar situações do dia a dia e articular corretamente as sílabas. A partir dessa idade, os papais devem ficar atentos: caso alguma dificuldade de fala persistir, é recomendável procurar um fonoaudiólogo para que isso não se torne um problema no futuro.

É saudável falar com voz de criança?

Dicas para ensinar a criança falar corretamente:

Links da Semana #121

| Links da Semana
Links da Semana

A cada semana, você encontrará recomendações de matérias importantes, que vão te deixar ainda mais informada sobre o universo do seu filho. Confira os cinco melhores links desta semana:

Dengucho na Moda: Coleção Verão 2016/2017 nas Lojas Denguinho em Curitiba

22.08| Dengucho na Moda, Lojas Denguinho

O inverno nem chegou ao fim e já estamos pensando nas próximas estações! Afinal, mãe que é mãe sabe da importância de ser prevenida e antenada para adquirir as melhores e mais charmosas peças para os próprios denguinhos!

As peças da Coleção Verão 2016/2017 vem com um mix de flores, estampas e tecidos leves que dão um caimento perfeito nas crianças e deixam elas muito confortáveis para brincar e passear! Confira alguns dos modelos que temos nas Lojas Denguinho em Curitiba!

Coleção Verão 2016/2017 nas Lojas Denguinho em Curitiba

Anote os endereços e venha conferir as diversas opções de looks da Coleção Verão 2016/2017 nas lojas Denguinho em Curitiba:

Denguinho Pinheirinho

  • Endereço

    Av. Winston Churchill, 2346

  • Telefone

    (41) 3246-2203

  • Whatsapp

    (41) 9725-2255

Denguinho Sítio Cercado

  • Endereço

    Rua Izaac Ferreira da Cruz, 2875

  • Telefone

    (41) 3349-3547

  • Whatsapp

    (41) 9953-5426

Links da Semana #120

19.08| Links da Semana
Links da Semana

A cada semana, você encontrará recomendações de matérias importantes, que vão te deixar ainda mais informada sobre o universo do seu filho. Confira os cinco melhores links desta semana:

Ensine seus filhos a esperar

15.08| Infância
Ensine seus filhos a esperar

Esperar não é fácil, ainda mais para as crianças. Não há criança sequer que nasça sendo paciente, por isso é importante estimular esse hábito. Inclusive, uma das dicas para criar crianças educadas, que já demos aqui no blog, foi essa: explicar que tudo tem o seu tempo e que nada vai ficar mais rápido só porque ela quer.

Mas para isso, é necessário que a paciência seja incentivada fora e, principalmente, dentro de casa. Se ela acaba conseguindo tudo o que ela quer na hora que ela quer, é difícil aprender alguma coisa. É natural que as crianças testem limites, então cabe aos pais serem firmes e dizerem até onde elas podem ir.

Ensine seus filhos a esperar

Se você está procurando uma fórmula secreta, infelizmente ela não existe.

A ideia é trabalhar diariamente a virtude, nas situações do cotidiano, e não desistir no momento que o primeiro desafio se apresentar. Por mais que dê vontade, evite interromper o que você está fazendo para atendê-lo (a não ser, é claro, que seja urgente).

É possível também exercitar a paciência com a criança por meio de outras atividades:

Que tal cozinhar com seus filhos?

Escolha receitas que precisem ser levadas ao forno ou ao freezer. Como cada uma exige um tempo até ficar pronta, é necessário descrever o que acontecerá nesse tempo e por que é importante esperar.

Que tal fazer uma hortinha com seus filhos?

Plante alguma semente ou muda de planta que leve um certo tempo (que não sejam anos, de preferência) para nascer e se desenvolver. Explique que é necessário cuidar dela todos os dias para que possa crescer e ficar bonita, e que, para isso, eles precisam ter um pouco de paciência.

Que tal mostrar a rotina da criança?

A ideia é tirar fotos, desenhar ou fazer colagem de cada uma das atividades dela, fazer um quadro com isso e apresentar o que acontece no dia dela desde que ela acorda até a hora de dormir. Ex: “Primeiro você acorda, depois escova os dentes…”.

Que tal fazê-la entender quanto “daqui a pouco” significa?

Em vez de indicar um tempo difícil de quantificar, é importante demonstrar a sequência das coisas. Ou seja, você pode trocar o “espere um pouco” por “eu vou terminar de fazer isso e, depois que eu terminar, eu te chamo”.
Ensine seus filhos a esperar

Que tal preencher um calendário com eles?

Para eventos grandes, como Natal ou aniversário, façam um calendário e marquem o dia importante com canetas bem coloridas. Cada dia, preencham o espaço referente e contem quantos faltam para a grande data.

Que tal seu filho aprender a ter paciência por meio de brincadeiras?

Quando seu filho e os amiguinhos estiverem brincando por perto, sugira que eles brinquem de estátua ou esconde-esconde, atividades que envolvam a espera para que deem certo.

Que tal incentivar a prática de esportes?

O futebol, por exemplo, ensina que cada criança tem a vez dela com a posse da bola e que é necessário trabalhar em time para conseguir algum resultado. Da mesma forma, o basquete e o vôlei também são atividades interessantes.

Fonte: Portal Bebê.com.br e Revista Crescer

Página 1 de 2512345...1020...Última »