Alimentação do bebê

Uma dúvida que costuma preocupar pais e responsáveis é sobre o momento certo de trocar o leite materno pelos alimentos sólidos. Recomenda-se que a alimentação do bebê seja feita apenas com leite materno durante os 6 primeiros meses de vida. Nele contêm todos os nutrientes que o recém-nascido precisa para ficar saudável.

A partir dos 7 meses, os pais podem começar a substituir gradualmente as refeições da criança, observando a reação aos novos sabores. Os pais precisam ficar por perto sempre, prestando atenção para socorrer rapidamente em casos de engasgo.

Além do tempo de vida, outro modo de saber quando o bebê está pronto para essa transição é atentar se ele já consegue realizar os seguintes itens: manter a cabeça erguida, fazer movimentos de mastigação, ficar apoiado enquanto está sentado e mostrar curiosidade em relação à comida dos pais.

Então, é hora de entrar em ação. Há duas técnicas de apresentação dos alimentos sólidos:

Forma tradicional
A maioria dos pais costumam optar por essa maneira de fazer a troca. Nela, os alimentos são introduzidos aos poucos, um por vez, para dar tempo ao bebê de se habituar com sabores e texturas diferentes. De acordo com especialistas, esse é o jeito que garante maior variedade de nutrientes.

Uma dica é oferecer uma novidade a cada dois ou três dias, começando com frutas, seguida de legumes e verduras. No início, o melhor é peneirar, ralar, amassar, raspar ou espremer a comida. Comece com sucos e papinhas e depois vá alterando gradualmente a consistência, até acostumar.

Baby-lead Weaning
Popular em países estrangeiros, essa forma de transição não utiliza colheres ou papinhas e mingaus nas refeições. Após a retirada de cascas, sementes e caroços, os alimentos são picados em tamanhos diferentes e servidos à criança, cozidos ou crus.

A técnica possibilita que o bebê crie um interesse pela novidade e decida o que quer comer, na velocidade que desejar. Por isso, é necessário evitar pressão ou apressar o momento de descoberta. Desse modo, a curiosidade é desenvolvida e a mastigação incentivada.

E qual dessas duas formas é a melhor?
Você pode fazer um teste para ver com qual delas a criança se adapta melhor ou ainda intercalar ambas para que o pequeno obtenha todos os benefícios e continue crescendo com saúde.

Veja também:

Amamentação: mitos e verdades

Amamentação: mitos e verdades 2