quantidade ideal de brinquedos

Talvez em algum momento você já tenha feito essa indagação: “existe uma quantidade ideal de brinquedos para o meu filho?”. Afinal, como pais educadores e protetores que somos, sempre estamos procurando informações e fontes confiáveis que nos ajudem a proteger os nossos filhos diante de excessos e também da faltas. Enfim, buscando o limite!

Para responder a essa indagação, fizemos uma pesquisa e buscamos saber o que dizem os especialistas. Continue a leitura deste texto e saiba qual é o limite ideal de brinquedos para o seu filho.
O excesso de brinquedos produz uma formação adulta consumista

De acordo com uma recente pesquisa feita pelo portal IG, com especialistas do Núcleo de Cultura e Pesquisas do Brincar da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), ter muitos brinquedos não é adequado para uma criança, pois dificulta a compreensão ou o entendimento do que seja o limite. Com isso, a pesquisa diz que a criança pode crescer com possibilidades de se tornar um adulto consumista.

Além disso, outro ponto destacado é que a regra básica é brincar, tendo ou não brinquedos. O brinquedo entra apenas como um complemento do ato de brincar e de aprender e os pais precisam ter ciência disso.

Os especialistas também apontaram que se as crianças não tiverem brinquedos oriundos da indústria, qualquer outro objeto simples que represente uma brincadeira saudável pode se tornar motivo de lazer para elas.
Ponderar é o ideal: nem muito, nem menos

De acordo com o psicólogo Áderson Costa e também professor da Universidade de Brasília, alguns brinquedos podem colaborar para o ensino-aprendizado das crianças e consequentemente para o seu desenvolvimento.

À medida que elas vão crescendo, diz o especialista, é preciso dosar a quantidade de brinquedos e adotar os tipos de brinquedos levando em consideração a idade da criança. Não precisa ser necessariamente brinquedos caros, como muitos pais acreditam, afirma ele.

Por exemplo, quando os bebês estão começando a engatinhar, adotar certos tipos de brinquedos como os coloridos e os que mudam de cor pode fazer bem à criança e aguçar a sua curiosidade. Já para criança um pouco mais desenvolvida, entre 3 a 4 anos, não há tanto interesse nos brinquedos para bebês, elas se sentem mais instigadas por brinquedos de encaixe e desencaixe.

Se por um lado temos a necessidade de limitar o excesso de brinquedos para que a criança não se torne um adulto consumista, por outro, temos a necessidade de ter certos brinquedos para colaborar com o seu desenvolvimento.

Assim, não existe necessariamente uma quantidade ideal de brinquedos para o seu filho. O que deve pesar no processo de aquisição de brinquedos para a criança é a ponderação.

O que os pais devem saber é que muito mais importante do que o brinquedo é brincar, envolver a criança em atividades lúdicas, prazerosas e felizes, que deem a ela qualidade de vida através do lazer.

Gostou deste texto? Fique por dentro de conteúdos exclusivos sobre assuntos relacionados ao tema deste artigo. Basta acompanhar as nossas publicações no Blog do Dengucho!