Mitos e Verdades sobre a Amamentação

Ao chegar ao final da gravidez, as novas mamães – ou como são popularmente chamadas “mães de primeira viagem” – costumam ficar apreensivas e cheias de dúvidas sobre a amamentação. Essa é uma fase normal de se passar, até as mães mais experientes já tiveram seus momentos de questionamentos. Para ajudar, reunimos alguns assuntos para esclarecer se eles são mitos ou verdades. Acompanhe abaixo:

– O leite materno faz bem para a saúde do bebê?

Verdade. Ele é rico em água, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais: todos os nutrientes que o corpo do bebê vai precisar até, no mínimo, o sexto mês.  O leite materno é o alimento mais completo e traz inúmeros benefícios para o bebê: ajuda a desenvolver o sistema imunológico e protege de alergias, doenças e infecções.

– Aquela história de leite fraco é verdade?

Mito. Apesar de o leite materno ser diferente do popular leite de vaca (principalmente em consistência), a mãe sempre consegue produzir o líquido que contém todos os nutrientes para o bebê. Ela está saudável e ganhando peso? Ótimo, esse é o objetivo.

– A amamentação cria vínculos entre mãe e bebê?

Verdade. A amamentação consegue estabelecer fortes vínculos afetivos entre a mãe e a criança. O processo faz com que o cérebro libere ocitocina, também conhecido como o hormônio do amor, criando ligações emocionais que facilitarão o desenvolvimento da criança e, posteriormente, as relações com a família e os amigos.

– Se eu beber mais leite de vaca, eu produzo mais leite materno?

Mito. O corpo consegue produzir leite independentemente do que a mãe vier a ingerir.  Qualquer tipo de alimento serve, mas lembre-se: quanto mais saudável, melhor.

– Eu já fiz cirurgia plástica nos seios, isso impede a amamentação?

Mito. Com os avanços da medicina na área de cirurgias plásticas, não há mais esse risco. O  procedimento – tanto para aumentar quanto para diminuir os seios – é feito com cuidado para não danificar as estruturas mamárias.

A única exceção é a cirurgia para retirada de câncer de mama, pois normalmente nesses casos os dutos mamários também são retirados, mesmo que haja a reconstrução com próteses de silicone.