Young mother and newborn baby in white bedroom

Não é só o bebê que precisa de muito cuidado e atenção durante e depois da gestação. A mamãe também precisa ser assistida durante todo esse mesmo tempo. Ficar atenta aos sintomas do pós-parto, tanto os comuns quanto os não comuns, é muito importante para garantir a saúde e bem-estar da mulher.

Além disso, é importante visitar o médico regularmente em intervalos, normalmente, de 15, 40 e 180 dias. Essas consultas servem de acompanhamento e orientação, para verificar se a recuperação depois da gestação está indo bem.

Confira a seguir alguns sintomas do pós-parto que podem ocorrer, e saiba como proceder em cada caso:

O pós-parto é um período caracterizado, entre diversas outras coisas, por alguns desconfortos. Afinal, o corpo da mulher passou por uma intensa modificação que, aos poucos, está voltando ao estado natural. Entre as dores que podem ocorrer estão:

Por conta da adaptação do útero e do peso extra, a coluna da mamãe é uma das regiões que mais sofre. Para amenizar as dores nas costas, o recomendado é ter um bom preparo físico durante a gestação e, depois do parto, exercícios de correção de postura.

A dor de cabeça é comum como sintoma do pós-parto por conta do efeito colateral da anestesia ou do aumento da pressão arterial. Contudo, em casos constantes e muito intenso, a mamãe deve procurar um médico para analisar melhor essa dor.

Esse é um dos sintomas do pós-parto mais comuns em mamães de primeira viagem. Na maioria dos casos, a dor no mamilo se dá por conta da pega incorreta do bebê que fica mal posicionado.

Outros desconfortos comuns nessa região podem ser em consequência de excesso de leite ou por causa dos hormônios que estão produzindo leite.

Em casos mais raros e mais sérios, a dor no peito pode ser um sintoma de empedramento ou de inflamações. O indicado é procurar o médico em casos de dores mais agudas e/ou constante nos primeiros dias.

Sentir a batata da perna dolorida também é um sintoma que deve ser observado com cuidado, pois pode ser consequência de má circulação ou, menos comum, uma trombose venosa profunda. Neste caso, além da dor há vermelhidão e inchaço na região, e o médico deve ser consultado.

É indicado um período de resguardo, ou quarentena, de 30 a 40 dias após o parto. É comum que a mulher sinta um leve desconforto nas primeiras tentativas, porém, em casos de dores mais intensas e frequentes, é preciso procurar um especialista.

Além das dores, algumas comuns outras não, há diversos outros sintomas do pós-parto que devem ser monitorados com cuidado e necessitam de consulta com especialista. Podemos destacar:

Quase todas as mulheres, depois de ganhar o neném, passam por uma perda de sangue. Esse material, chamado de lóquios, é o corpo eliminando os tecidos que revestem o útero. Entretanto, quando o sangramento é intenso, deve-se procurar um atendimento com urgência.

Normalmente, quando é preciso trocar um absorvente a cada hora é sinal de que alguma coisa está errada, como um deslocamento repentino de restos da placenta.

Recomenda-se aferir a pressão da mamãe regularmente, a pressão muito alta, associada a enjoo, palpitação e dores no peito, pode ser sintoma de pré-eclâmpsia. Por isso, é algo que deve ser observado com cuidado.

Por conta de toda a alteração hormonal, somada a inúmeros outros fatores que envolvem a gestação e o parto, sendo eles biológicos ou psicológicos, é comum que muitas mamães, após o parto, passem por alterações de humor e até crises de choro.

Porém, algumas mulheres podem sentir essas emoções mais intensamente, desencadeando algum tipo de depressão pós-parto. Nesses casos, o apoio de familiares e consultas com psicológico é recomendado.

É importante lembrar que qualquer desconforto é uma mensagem do nosso corpo, dando sinal de que alguma coisa não está certa.

Algumas dores podem ser comuns em decorrência do processe de gestação e do parto, mas, ficar atento aos sintomas do pós-parto é muito importante, afinal, esse é um momento de celebração e muito cuidado da família.

Por fim, ficam algumas dicas para as mamães:

— Siga corretamente as orientações do sue médico;

— Busque uma alimentação leve e balanceada;

— Descanse bastante, principalmente, na primeira semana;

— Peça ajuda de familiares, principalmente do marido, para cuidar do recém-nascido e da sua saúde.